Author: musazuluar

O Que a Ciência Nos Diz Sobre a Inteligência Intuitiva do Coração

A Luz é Invencível

post-11-28-1
Os cientistas maravilhosos e brilhantes do Instituto do Coração Matemático têm feito um trabalho incrível ao lançar luz sobre algumas descobertas muito significativas em relação a ciência do coração.

O Instituto de Coração Matemático é uma organização de pesquisa e educação sem fins lucrativos, reconhecida internacionalmente, dedicada a ajudar as pessoas a reduzir o estresse, auto regulando as emoções e construindo a energia e resistência para uma vida feliz e saudável. As ferramentas, tecnologia e treinamento do Coração Matemático ensinam as pessoas a contar com a inteligência do seu coração em conjunto com a sua mente em casa, na escola, no trabalho e no lazer.

Uma grande parte de sua pesquisa investigou a interação do coração com o cérebro. Pesquisadores do Instituto examinaram como o coração e o cérebro se comunicam entre si e como isso afeta a nossa consciência e a forma como percebemos o nosso mundo.

Suas pesquisas…

View original post 1,069 more words

Arte e uma Vida!!!

gestalt

Neste blog descreve a nível da psicologia da Arte, o meu percurso enquanto artista,  relacionando-a  com as várias vertentes da psicologia tanto das neurociências como na psicologia positiva, e os seus diferentes métodos, como o experimental, Psicanalítico, genético e clinico: congrego os meus trabalhos ás seguintes teorias com a autorrepresentação como análise e desconstrução do meu Eu (dando exemplos visuais das minhas obras referentes aos variados temas), á teoria da Gestalt adaptada à arte, e abordo ainda dos meus processos criativos, existentes nas varias obras que a frente mostro aplicando relatando através nelas a teoria da Arte e terapia.

 

num rumo...

Desde sempre e reconheço na minha identidade, que tenho uma ligação especial ou podemos chamar aptidão para as artes em geral, talvez por ter sido estimulada nesse sentido; desde pequena que frequentei colégios escolas, em que os tempos e as disciplinas que me davam mais contentamento eram as de carácter prático artístico, fui sempre estimulada pelos mestres que também reconheciam este à-vontade, sempre me colocaram em desafia-o a minha criatividade pelos mais variados processos construtivos. Desta forma a minha percepção para as artes deu-me uma representação mental com um significado informativo significativo e essencial para que posso dizer hoje que me fez artista plástica e performance.Aplico aqui sem dúvida a perspetiva ecológica de Brofembrenmer privilegiada, dos seres humanos a sua participação enquanto seres biopsicológicos, diferentes contextos como forma de perceção e explicação do seu desenvolvimento.

gest1

Relato ainda uma experiencia que tive por volta dos 6 anos em que vivi uma situação traumática para uma criança, sofri de maus tratos por parte de uma ama; e nessa altura quando foi detetado, os meus pais tiveram que recorrer a uma profissional de psicologia, a psicóloga na altura valeu-se da terapia pelo desenho afim de eu relatar as situações que tinha sido subtida.

De facto as situações menos boas que vivi eram muitas vezes preocupantes pois para o normal de uma criança da minha idade estavam a afetar-me o sucesso escolar assim como os meus comportamentos socialmente com outras crianças e com os meus pais, essa situação só foi resolvida quando revelei a um familiar que apesar de não ter muita lidação comigo, na altura foi com ela que senti área de conforto, abri o segredo mas sempre a pedir segredo da situação que vivia pois estava convencida que o mal era meu e que a ama tinha o poder de me retirar aos meus pais. Enfim posto isto, os meus pais tomaram as devidas providências e retiraram-me da guarda da ama. Assim como avisaram os pais das outras crianças. Depois fui para um colégio e ai com os devidos estímulos por parte das educadoras, descobriram o meu dom para a música e para cantar.

 

 

.

Música sem dúvida era naquela altura o meio pelo qual eu mais facilmente me exprimiOLYMPUS DIGITAL CAMERAa, embora recebesse no colégios os devidos estímulos em casa, os meus pais eram pessoas que não se interessavam nem muito por música nem por outras áreas artísticas, o que originou em mim uma falta de auto-estima e no meu valor artístico e foi assim durante anos, apenas cantava em festas por graça; mas sempre presente através dos meus p???????????????????????????????ais que seguir a música ou qualquer área relacionada com as artes não era futuro, que tinha era que estudar para realmente seguir outra profissão que me desse sustento, foi nesta altura que fui apagando e deixe

de lado as minhas manifestações artísticas, mas durante a adolescia o dom veio a revelar-se novamente quando ganhei um concurso a cantar, ai os meus pais começaram a perceber e também com ajuda de alguns professores que me valorizavam e reconheciam o dom, que tinham uma filha que inevitavelmente estaria com seu futuro sempre ligado de alguma forma as artes em geral.

???????????????Mas mesmo assim e devido também á educação que  eles receberam sempre tentaram direcionaram para ideologia de vida, que consistia a sua semelhança: o ideal é ter um trabalho fixo e ter um ordenado ao fim do mês para pagar as contas, enfim eu nessa altura então em semelhança e a deles, consegui um emprego ao qual tive sete anos vinculada de balconista nas lojas Singer, chegando mesmo a chefe de loja até porque tive sempre muito entendimento em organização de trabalho em grupo e reconhecer valores em cada pessoa. Mas de facto até nesse trabalho a veia artista de vez enquanto aparecia e revelava-se, e até era apreciada por colegas e por vezes até constituía dinâmicas ao incentivo de vendas.

Mas reptura  aconteceu, após os sete anos de trabalho e estando presa numa loja um dia inteiro, e por cada vez menos ter contacto com as coisas que me faziam feliz como estar ao ar livre, dançar cantar, pintar, entrei numa depressão psicossomática em que cada vez que entrava numa grande superfície (centro comercial ou locais com muita gente) o meu corpo prenunciava-se com mau estar físico e baixas de tensão assim como uma angustia enorme. Foi então por ordem medica fui proibida de voltar a exercer a minha profissão na altura enquanto trabalhadora num grandioso Centro Comercial. Posto isto ainda fiquei, em casa durante dois anos um pouco desnortear-se em relação ao meu futuro mas experimentando áreas diferentes dos interesses ligados a antiga profissão, então inevitavelmente começaram os meus interesses artísticos a renascer e a direcionar o meu tempo livre para fazer aquilo que realmente gostava.DSCN0323

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

 

Comecei a participar em alguns concursos de estátuas Vivas com personagens elaboradas por mim, e que me ajudaram a encontrar-me, foi nessa altura que tomei a decisão de voltar a estudar, desta vez animação sociocultural, foi um curso de três anos mHPIM1826as de uma valia supre valiosa para a pessoa que sou hoje, pois tive acesso as mais variadas disciplinas como sociologia, psicologia, expressão corporal, expressão plástica e ainda estagie durante três anos em sítios como um centro ocupacional para idosos Benfica, na Casa Pia em Xabregas (na biblioteca), por ultimo com Portadores de deficiência variadas, em Marvila; foi verdadeiramente activo mas com resultados soberbos ao nível da minha formação pessoal e por sua vez ao encontro do que a arte e as suas mais variadas vertentes pode contribuir para a construção de uma sociedade melhor.

 pinturatreeconnnet,3569x2413,2008©

Este Quadro,  em seu fundo conceptual, tem o pode chamar a aplicação da psicologia enquanto terapia, pois quando foi elaborado, iniciou-se com um intuito de resolver emoções relativas a uma situação traumática, respeitantes a um acidente no Ultimo rio selvagem (á data) de Portugal, Rio Sabor, situado a norte de Portugal distrito de Bragança em que foi organizada uma manifestação contra a implantação de uma barragem que iria dissipar aquele rio e toda a sua fauna envolvente, eu estava na altura a recuperar de uma depressão psicossomática e a convite de duas amigas que sabiam da minha situação fui sem hesitar abraçar esta causa, até para sair do meio que me estava a provocar essa mesma depressão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Isto aconteceu em Março de 2007 e sendo inverno choveu que provocou a subida o caudal do rio não prevista pela organização pois eles tinham feito um reconhecimento mas uma semana antes, os equipamentos também com o qual estavam a fazer aquela descida do rio não eram os mais apropriados, e o que seria uma descida de quatro horas passaram a ser doze horas com agravante de estar-mos sem comida e luz a partir de determinada altura do dia, especificamente a situação que me marcou indubitavelmente, foi a determinada altura da descida, numa talvegue (onde rio faz uma queda de água) que estava a passar como tinha apreendido seguir o espelho de água a determinada altura e devido ao meu colega que seguia comigo a canoa virou para dentro do remoinho que ali formava devido a força das águas ali fiquei a lutar pela vida , vi a minha mãe e o meu pai pensei que nunca iria sair daquela situação com vida, ao longe ouvia os gritos para não desistir mas era impossível lutar contra tanta força; deixei-me ir a determinada altura vi tudo escuro em espiral direito ao fundo; passado não sei quanto tempo, pois para mim toda a situação, pareceu-me uma eternidade comecei-a a sentir o que chamo de águas leves e delas comecei a mergulhar ao regresso á vida e a um renascer, muitos dos que assistiram ao acidente me comtemplaram dizendo:”-pensei que não ias sobreviver.”

O relato anterior e da viagem e aventura no rio que tinha como intuito tirar-me da depressão e angustia que vivia na altura, teve os seus resultados: primeiramente deu-me novamente o gosto pela vida assim como me reavaliar os meus objectivos enquanto futuro, quanto aos meus desejos e aptidões artísticas que até a data andavam reprimidas em segundo comecei a desenvolver mais as minhas habilidades para artes tanto de representação  como a pintura  e escultura.

Quando regressei ao meu quotidiano, era prática recorrente estar sempre a falar com todas as pessoas do acidente e de como este tinha sido traumático mas ao mesmo tempo regeneradora de toda a minha pessoa, na altura eu própria comecei a ter essa noção que estava a tornar-se o único tema que tinha como tal tinha que eteriza-lo de uma vez por todas então decidi começar a pintar um quadro que a partida terapeuticamente falando, iria pôr nele todo o que apoquentava enquanto indivíduo. O resultado final teve entre muitas formas, em figura central uma árvore que em mim representava a vida, um humanóide  vindo do céu em remoinho que representam também os meus pais que vi debaixo de água quando estava no remoinho(obstáculos da vida) e a maneira como via o mundo que estava cheio de ganância  e injustiça social que tinha vivido e que resultou na depressão; as águas douradas representam elas a forma como ultrapassei e a descoberta da minha razão.

eraaquarius

A minha performance “Era aquários” e tudo que esta representa em termos da sua própria mensagem está relacionada, com uma ideologia que a data me preenchia em termos ideológicos, o renascer o tomar consciência da vida da e Psicologia metafísica e todos os seus parâmetros abordados, da relatividade empírica.

A ciência do homem e o universo, e a suas influencias astrais estão interligadas no sentido que influenciam toda a dinâmica planetária, em maior destaque o manifesto ou fenómeno das mares, e o elemento Água também ele parte integrante no nosso corpo físico, este que nos faz perspectivar e reconhecer o meio circundante em constante mudança ao longo das varias gerações de metamorfoses, tanto se manifestam também a nível psicologia, nível social, e do próprio indivíduo. Na obra minha obra “Era Aquarius” retrata um anjo dourado, que com um jarrão dá água, agradece ao universo e depois cheirar três rosas, espalha, em forma de onda o amor e vida. Para além disso tem uma “play-list” de música que procurei transformar toda a sua envolvência e a sua própria dinâmica de movimentação encontra-se em sincronização com as ondas musicais. Quando actuo com esta performance, faço quer acompanhada quer acompanhada com outras pessoas que também elas de forma livre apreenderam a interagir comigo, costumo dizer que esta estátua esta sempre apta a transformar se e a receber interacção do meio onde atua.

O público normalmente dá-lhe os mais variados significados, porque eu por opção não costumo usar placa com título, isto porque gosto e acho que é necessário o público sentir a obra e sonhar e idealizar por ele próprio as suas referências e significados, em cultivo do seu espírito crítico. Da minha parte só são surpreendidos com o quadro vivo que criei assente nos meus estudos e influências vivenciais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Na última obra que escolhi embora se encontre em fase de elaboração escolhi falar nela e no processo de construção. Que insiro um conjunto de palavras-chaves para resultar numa obra com uma mensagem conceptual reflectiva “Do que é o Tempo”, e de como ele passa e delimita as nossas rotinas e vivencias desde que nascemos e que nos é instituído que ele existe e que pode ser contabilizado. Neste projecto recorri a uma sequência de etapas: primeiramente elaborou um “brainSortm” em que lancei palavras-chave e questões tais como: “Tempo”, “Horas”, “Vida”, e o que são as nossas percepções gráficas, a comunicação visual que este tem, e sua percepção a nível da forma. Ainda procurei juntar alguns elementos que representam para mim como um receptáculo de memórias, mas é apenas uma arca de madeira ou como gosto de lhe chamar Báu das memórias, pois tem acompanhado a minha vida e algumas outras obras que fiz ou eventos que participei.

Já em segunda fase iniciei esboços em caderno gráfico afim de suportarem os estudos de como aplicar a ideia aos conceitos estudados, em seguida a delimitações e aptidões, existido delimitações no processo criativo, pois foi um trabalho lançado na disciplina de laboratório multimédia III,  em que o desafio principal tinha que ser uma instalação que comportasse um conceito “Tempo” e também ter a componente de interactividade; nessa altura pensei juntar  as minhas aptidões  de mais valia, então como já foi referenciado, faço um trabalho de performance a cerca de 8 anos (Estátua Viva); como tal para mim essa quase sempre a forma que dou preferência para abordar a vida e aquilo que quero passar ou mostrar  ao meio envolvente, como tal depois deste desafio também quis integrar na obra e  representar parte dela dando  a representação  um corpo desde do seu estado fetal até ao momento que falece.

Para opulentar serão projectadas fotografias que me acompanham desde sempre, que retratam varias fases da minha vida; e ainda como figura da duplicidade do tempo, vou usar umas fotografias que trabalho com efeito espelho, de mais variadas imagens que vão desde da Água, Fogo e Terra.

Descrevendo a ideia que pretendo alcançar com esta performance: do báu saem as imagens, em frente a sua projecção acontece numa parede dos pés ao teto, eu estarei no chão em posição fetal, ao começo da performance; as imagens estarão a ser projectadas do báu com som evolvente criado para o mesmo propósito envolver toda a instalação e quem ela passa.  A minha perfor???????????????????????????????mance consiste em estar dentro de uma manga de tecido branco afim deste também ainda receber parte da própria projecção, primeiramente estarei em forma fetal, e depois ao longo de aproximadamente duas horas vou-me movimentando e dando as mais variadas formas ao tecido.

Desta forma posso referir em termos de psicologia da arte que estou a usar signos que são de relevância significativa para a percepção humana como o volume de um corpo que ultrapassa o limite Bidimensional, e OLYMPUS DIGITAL CAMERAa reta que se forma com as imagens que convergem no seu efeito espelho, assim como o seus conjuntos de planos em superposições que vão existir quando o publico circular para ver a performance, a luz nesta instalação vai dar origem a uma representação gráfica dando importância de onde esta erradia, vai ser ela que comanda a  variação tonal e vai ser por causa dela que terão consciência ou noção da obra. As cores também elas estão implícitas, nas imagens e na sua projeção representando a parte emocional existente nas imagens assim como simbolicamente serão associadas a uma linha de tempo emocional da vida até a morte.

Em titulo de conclusão todos os meus processos criativos, foram de alguma forma assentes de em as mais variadas ideologias que albergam a psicologia da arte, dando importância para o meu desenvolvimento tanto quanto indivíduo como ser humano, que sou parte intrigante das minhas experiencias mais variadas e de maior ou menor pertinência. Acredito que a minha aptidão natural para as artes resulta dos estímulos que vivi desde de criança mas também são intrínsecos pois tenho uma predisposição para ver o mundo de forma idílica mas com os “pês assentes no chão” pois tudo que faço tem a sua mensagem que nasce quer de forma espontânea quer de forma de um estudo conceptual, ou ainda em ultimo e a que preferencialmente destaco Co-criação   que revelo aqui como a mais  estimulante para mim, pois acredito que junto e juntando diferentes aptidões conseguem-se o que chamo  obras mais enriquecidas de valores de união.

892198_10151533779119127_1649648509_o copyOLYMPUS DIGITAL CAMERA